foto

MUSEU PAULISTA – USP

O Parque da Independência foi criado como referência cívica nacional. Situado no Bairro do Ipiranga, possui uma área de 161.335 m2, que inclui o Monumento à Independência, a Casa do Grito, o Riacho do Ipiranga, o Jardim Francês, o Horto Botânico e o Museu Paulista.

O Museu Paulista, "nome oficial e original do Museu do Ipiranga", criado juridicamente em 1893 e oficialmente inaugurado a 7 de setembro de 1895, é o museu mais antigo do Estado de São Paulo. Pertence à Universidade de São Paulo desde 1963.

Está instalado num edifício projetado em 1882 pelo engenheiro italiano Tommaso Gaudenzio Bezzi; sua construção estendeu-se de 1885 a 1890. Como monumento, é o primeiro à Proclamação da Independência do Brasil, assinalando o lugar exato desse acontecimento às margens do riacho Ipiranga.

O núcleo do Museu foi constituído pela Coleção Joaquim Sertório, "miscelânea de peças que foram doadas ao Estado", além do quadro "Independência ou Morte", de Pedro Américo, e outros documentos e objetos ligados à história da pátria.

O acervo original sofreu alguns desmembramentos: em 1911, parte das pinturas passou para a Pinacoteca do Estado; em 1927, a coleção de botânica foi para o atual Herbário do Estado; em 1939, a de zoologia foi para o atual Museu de Zoologia-USP; em 1989, a de arqueologia e etnologia passaram a constituir o Museu de Arqueologia e Etnologia-USP. Desta forma, o Museu Paulista tornou-se exclusivamente histórico.

Possui hoje um acervo de mais de 100.000 unidades, que vão do século XVI até meados do XX, com predominância do período de 1850 a 1950, formado por: objetos (mobiliário, indumentária, armaria, imaginária e acessórios diversos), numismática, medalhística, filatelia, documentação (81 coleções e 6 fundos de arquivos) e iconografia (14.700 itens). Está dividido em três áreas: Cotidiano e Sociedade, Universo de Trabalho e História do Imaginário. Na primeira área, temos principalmente objetos domésticos, não apenas utilitários, mas que têm também função nas relações sociais. Na segunda, o universo do trabalho pré e protoindustrial. O objetivo é o de se ver em todos os objetos o trabalho neles embutido, e perceber aspectos de sua divisão técnica e social numa sociedade. Na terceira, o museu procura compreender as formas de constituição da memória de grupos sociais e seu funcionamento. Importante também é sua biblioteca (com 70.000 livros e periódicos), especializada em História do Brasil e da Cultura, que muito contribui para a pesquisa histórica e para a museologia.

No meio do Parque da Independência encontra-se a chamada "Casa do Grito" e o Monumento à Independência, sob o qual está construída a Capela Imperial, onde estão os restos mortais da Família Imperial Brasileira.

À frente do museu há um conjunto de jardins que segue o modelo francês, inspirado em Versalhes. Seu primeiro projeto é de 1909, do belga Arsenius Puttemans. Em 1922, foi reelaborado para as comemorações do Centenário da Independência.

O Museu Paulista procura firmar um compromisso com o imaginário da Independência e com o que isto re¬pre¬senta. Através do próprio prédio, do mobiliário, das pinturas, dos veículos, das armas, das estátuas, de peças muitas vezes aparentemente insignificantes, evoca-se a memória com a responsabilidade de se promover a consciência histórica. Os objetos, nesta perspectiva, transformam-se assim em documentos históricos que nos auxiliam a entender a própria memória nacional.

Capela Imperial e Casa Do Grito
Parque da Independência, s/nº, Ipiranga, CEP 04263-000
T 2065-8000
mp@usp.br
www.mp.usp.br
Visitação: Terça a domingo, das 9h às 17h. Visitas monitoradas.
Acesso para pessoas com deficiência locomotora.
Metrô Alto do Ipiranga. Estação de Trem Ipiranga.
Ônibus e estacionamento nas proximidades.

:: voltar

foto